terça-feira, 6 de outubro de 2015

Unicórnio

Não há memória, instante, estado de espírito, episódio, ou pedaço de existência que não encontre num verso a sua definição exata. A cada emoção que é dos homens, o seu reflexo num espelho que é tecido por deuses. 
Ao abrir o livro, numa página ao acaso, leio: 
"O unicórnio ferido que regressa para assinalar o fim".
E resolvendo-me, traço a sangue o resultado da equação que me afundou o peito.
Ensinou-me o verso aquilo que a razão jamais saberia compreender: 
o que há de tão triste no teu último regresso. 

8 comentários:

  1. Só aqui se poderia falar de António Costa de forma tão poética.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso não seria assunto capaz de me afundar o peito.
      :)

      Eliminar
  2. "O poeta disse o poema. Era só uma linha.
    (...)
    -Nos anos da minha juventude- disse o Rei- naveguei rumo ao ocaso. Numa ilha vi lebréus de prata que davam morte a javalis de ouro. Noutra alimentámo-nos com a fragância das maçãs mágicas. Noutra vi muralhas de fogo. Na mais longe de todas um rio abobadado e suspenso sulcava o céu e pelas águas iam peixes e barcos. Estas são maravilhas, mas não se comparam com o teu poema, que de certo modo as encerra. Que feitiço to doou?"
    Jorge Luis Borges/ O espelho e a máscara

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Teresa.
      Um poema de Borges em resposta a um post feito sobre um verso de ... Borges!
      É um poema magnífico.
      É por estas coisas que tenho um blog.

      Eliminar
  3. Boa noite, cara Pirata!
    O seguinte era para acompanhar o post dos Ornatos Violeta. Não se entristeça com o fim que traz começos. Estamos na estação do fogo novo que começa a arder agora nas lareiras. Queime o velho e dissipe as baforadas de fumo.

    Erat arbor hec in prato
    Quovis flore picturato

    Herba, fonte, situ grato,
    Sed et umbra, flatu dato.
    Stilo non pinxisset Plato
    Loca gratiora.

    Hic dum placet delectari
    Delectatque iocundari

    Et ab estu relevari,
    Cerno forma singulari
    Pastorellam sine pari
    Colligentem mora.

    Estivali sub fervore,
    Quando cuncta sunt in flore,
    Totus eram in ardore.
    Sub olive me decore,
    Estu fessum et sudore,
    Detinebat mora.

    Que respondit verbo brevit:
    “ludos viri non assuevi.

    Sunt parentes michi sevi
    Mater longioris evi.
    Irascetur pro re levi.
    Parce nunc in hora!”

    Qntal - Ludus

    https://www.youtube.com/watch?v=-FU6LdjXD18

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. I fall in love at first sight,
      Venus made her, I believe.
      "Come!", I say, "I'm not a thief,
      nothing I steal, nothing I hurt.
      I give all myself to you,
      who are more beautiful than Flora!"

      She answers briefly:
      "I'm not used to men's games,
      my parents are stern,
      my mother is very old,
      she is angered by the mildest things.
      Now back off!"

      Eliminar
    2. Ahahahaha! É lindo, não é?!

      Eliminar
    3. Muito bom!
      E não foi fácil encontrar uma tradução.

      Eliminar