sábado, 20 de março de 2010

Esta semana, lá no meu trabalho (Quando a realidade supera a ficção) I




- Então e quer explicar porque é que fez isto à sua mulher?
(“Isto” foi, resumidamente, dar-lhe vários e murros e pontapés e depois de a deixar imobilizada num canto do quarto, dirigir-se à cozinha, agarrar numa faca e espetá-la em diversos sítios na zona do pescoço e do peito).
- Olhe, pá…
- Não é pá! É senhores doutores..
- Pois, pá! Era o que eu ia dizer…
- E então? Quer explicar?
- Ela estava sempre a falar!! Sabem lá o que é um homem a querer dormir e ela sempre a falar, a falar, a falar, a falar…
- Ah, muito bem! O senhor esfaqueou a sua mulher porque queria dormir e ela estava a falar? É isso?
- Er…não é bem assim…não foi como está aí escrito! Eu primeiro mandei-a a calar, pá!

6 comentários:

  1. Comportamento desviante tipicamente humano. Não ousem chamá-lo de animal!
    Nem a demência seria tão brutal assim.

    ResponderEliminar
  2. Devias ter visto o ar indignado dele quando começou a descobrir que esta primavera não vai passear no campo...

    ResponderEliminar
  3. Já o colocaram a tocar piano antes do início da audiência de leitura da decisão...?

    ResponderEliminar
  4. Algo me diz que não iriamos querer ouvir isso...

    ResponderEliminar
  5. Pensei que era um "dizer" usual. Vejo que, afinal, é um calão cá da Comarca... "tocar piano" significa colocar as impressões digitais naquele boletim que é preenchido quando o cidadão é condenado a pena de prisão efectiva.
    Os funcionários de cá tinham o péssimo hábito de colocar o réu a pintar os quadradinhos antes da leitura da sentença... mas quem sabia, já sabia no que a coisa ia dar.

    ResponderEliminar
  6. Foi um momento "lost in translation"!

    ResponderEliminar