segunda-feira, 23 de abril de 2018

A esperança é a trela da submissão

E tu, Pandora, que tão bom serviço prestaste à humanidade ao abrir esse baú de onde se soltaram todos os bens e todos os males, não saberias tu, desgraçada Pandora, dar um pontapé na caixa para que também a esperança se perdesse entre os homens e deixasse de ser património divino? Penhor, chantagem, açaime e trela administrado por deuses? De que nos serve, Pandora, sermos senhores do bem e do mal, possuidores do amor e do ódio, se é dos deuses a esperança e se a usam para nos acorrentar?

(O título pertence a Raoul Vaneigem)

11 comentários:

  1. Acho que não conseguiria viver sem esperança

    ResponderEliminar
  2. recomendo Mr. Pip https://www.youtube.com/watch?v=tRn3gr8Pt_o

    ResponderEliminar
  3. Estou com as duas, se é possível:
    - não se pode viver sem ela
    - pode atrapalhar
    ~CC~

    ResponderEliminar
  4. Embora perceba a lógica da acusação feita à esperança, penso que, o medo, tem muito mais culpa. O medo, que serve para proteger, também trata de acorrentar, de pôr a trela, é salvador e carrasco.
    A esperança pode ser motor, pode ajudar a viver, o medo é um travão, e, muitas vezes, não está a salvar da morte, mas a impedir de viver.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O medo é uma corrente. Mas é com a esperança enfiada ao pescoço que nos passeiam na rua.

      Eliminar
  5. sim.
    a raiz de toda a ilusão e desilusão,
    o atávico pensamento mágico.

    a representação última da incapacidade de viver o e no presente.

    o plano é só nosso.
    e se for um bom plano será no mínimo racional.

    Abraço, Rainha Pirata!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Saudades suas, onónimo desaparecido.
      Abracinho.

      Eliminar