sexta-feira, 15 de julho de 2016

Das férias grandes

Como as crianças, conto os anos começando pelo mês de setembro. 
Este ano termina hoje. 
Teve horas a mais. Vivi ocasos a menos. Perdi duas ou três luas. Esqueci alguns encontros com o mar. Não colecionei todos os céus. Dei mais aos livros do que às pessoas. Recebi incomparavelmente mais das pessoas do que dos livros. Descobri que a música é uma obsessão de eficácia superior à compulsão para fazer muffins. Renovei o exílio por outro ano. Talvez seja a minha pátria. Continuei a falhar, mas falhei melhor. 



10 comentários:

  1. Respostas
    1. Quanto mais não fosse, por passagem administrativa...

      :)

      Eliminar
  2. Podias ter escolhido para título «prometo falhar». :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou então "prometo falhar melhor"! :P

      Eliminar
    2. Isso de me proporem a Chagasizacão do blogue é para me ajudarem a conseguir torná-lo digno de plágio?
      :)

      Eliminar
    3. A julgar pela quantidade de vezes que o vejo partilhado, parece-me o caminho certo. :D

      Eliminar
  3. Por aqui se vê que a matemática não é coisa de piratas... ;)

    ResponderEliminar
  4. diria que foi um bom ano... pela parte que me calhou pelo menos :)

    ResponderEliminar