quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Aleivosias

Pensei, durante muito tempo, que a mais justa metáfora do amor estivesse contida na bruxa de José Saramago, a Blimunda do Memorial do Convento que, dotada do poder de ver as entranhas dos outros quando em jejum, ao acordar, para se cegar à mais pura verdade interior do seu amado Baltazar, comia uma pedaço de pão antes de olhar para ele. 
Como vai sendo hábito, estava errada. A metáfora superior é a inversa. A de Virgínia Wolf. Negar a quem se ama o acesso ao mais profundo de nós próprios, porque pior do que deixá-lo trancado no exterior é aprisoná-lo, connosco, dentro da nossa mente. 
Há muito que a perceção empírica do potencial destrutivo da verdade me fez abandonar a sua defesa incondicional.
No fundo, tudo se resume a essa outra metáfora: A do Coronel Jessup no filme "A Few Good Men".
"You can't handle the truth".

10 comentários:

  1. "Negar a quem se ama o acesso ao mais profundo de nós próprios, porque pior do que deixá-lo trancado no exterior é aprisioná-lo, connosco, dentro da nossa mente." (...já tenho em que pensar durante o fim-de-semana, obrigada)

    meanwhile,

    "you can't hide from the truth because the truth is all there is"

    https://www.youtube.com/watch?v=oMUngA6EQ5Y

    ResponderEliminar
  2. "You can't handle the truth" é uma velha piada cá de casa, tão velha que já nem me lembrava de que filme a tirámos. Obrigada por me lembrares. :) E concordo contigo quanto ao tema. Não sejamos puristas da coisa!

    ResponderEliminar
  3. Pirata, que grande balbúrdia p'raqui vai e não há literatura que a salve. Felizmente há um/a anónimo/a mauzão/ona.

    Verdade e honestidade não são sinónimos. Os exemplos que citou são de honestidade, cada um de sua maneira, mas honestos para consigo próprios.

    A Verdade, esse conceito terrível que baralha o mundo desde que o primeiro Homem pensou, é outra coisa sobre a qual não existe acordo ou que possa ser aplicado o mesmo conceito a um leque variado de situações ou contextos.

    De longe, a honestidade dos amores e desamores, suplanta a metodização da verdade e a falível metáfora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido anónimo (a), nós os piratas somos pragmáticos. Para os pragmáticos só há sempre uma verdade.

      Eliminar
    2. Pirata, não quereria dizer que os piratas são os últimos românticos? Os detentores de verdades chamam-se cépticos, e a verdade que conhecem é sempre a mesma "ai, não pode ser" e variantes da mesmo tipo.

      Eliminar
    3. Li uma coisa na granta 2 que me fez lembrar esta conversa:
      Diz Rushdie que Bunuel dizia "daria a minha vida por um homem que andasse em busca da verdade, mas materia alegremente que acreditasse ter encontrado a verdade"
      Bunuel é dos seus!

      Eliminar
  4. " Estou envolvido nesta contradição: por um lado, creio conhecer o outro melhor do que ninguém e afirmo-lhe triunfalmente («Conheço-te bem. Só eu te conheço bem!»); e, por outro lado, sou muitas vezes assaltado por esta evidência: o outro é impenetrável, irreconhecível, intratável; não posso abri-lo, chegar à sua origem, desfazer o enigma. De onde vem? Quem é? Esgoto-me, nunca o saberei."
    Roland Barthes/ Fragmentos de um Discurso Amoroso/ O Inconhecível

    Interessante a comparação feita acima, Cuca.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não conheço isso mas já vou tratar de encomendar.

      Eliminar