domingo, 29 de maio de 2016

Linha editorial

Como manter um blog de dor de corno sem dor de corno? 
 

21 comentários:

  1. Escrevendo comunicações intergalácticas.

    ResponderEliminar
  2. Lembrando dores de corno passadas. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas essas já escrevi todas usando o verbo no presente! Ando desde 2010 a narrar dores de corno!!!

      Eliminar
    2. Arranjando outra?

      (que péssimo conselho!!)

      Eliminar
    3. Ahahahah
      Ou me partem o coração ou fecho o blog!

      Eliminar
  3. Uma vez, uma sacerdotiza de Odin, ao ouvir uma amiga descrever um sonho, disse que Odin lhe tinha aparecido, à amiga, em sonhos. A sacerdotiza de Odin ficou verde de ciúme e foi vista em invocações durante a madrugada, cantando e lamentando-se e dizendo: «Foda-se Odin!, sou tua mulher e tu a mim nunca me apareces!»
    E eu, leitor deste episódio, ao olhar a fotografia da sacerdotiza no livro, desejo por fantasia ser o Odin tornando-se corpóreo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A partir de hoje, "foda-se Odin" passou a ser a minha imprecação preferida! :))
      Obrigada por essa estória, ZMB, amigo de capitão Mancha.

      Eliminar
    2. Eu apenas traduzi, a estória é contada como verdadeira, como tendo ocorrido na realidade. neste livro:
      http://strangeattractor.co.uk/shoppe/englands-hidden-reverse/

      O que é para mim curioso é que eu a li a semana passada e, dois ou três dias depois, tu escreveste a tua comunicação intergaláctica.
      Há aqui uma sincronicidade admirável.

      Na verdade, eu sou mais que amigo do capitão Mancha, eu sou ele, ou ele sou eu noutra reencarnação, noutro momento da minha vida já passada «como uma cobra que muda de pele a cada ciclo, como uma cebola que se vai despelando».
      É uma das virtudes da esquizofrenia -- sinal de que nem tudo é miséria, podermo-nos destacar do nosso corpo e falarmos de nós na terceira pessoa.
      Agora, que o capitão está pronto para uma nova amiga, nem eu (o céptico) o posso negar.
      :)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Ora aí está uma ideia vencedora. Talvez possa transformar o blogue num consultório sentimental para sacar as dores dos outros e depois escrever sobre elas.

      Eliminar
  5. O Tony Carreira faz isso há trinta anos...

    ResponderEliminar
  6. tratando-se de um problema muito grave (coisa para te fazer perder alguns pontos na carta de condução), posso tentar encontrar algum imperador chinês disposto a atacar-te com milhões de dragões em fogo. depois, só terás de arremessar as espadas ao rio e subir a bordo do navio imperial. arranjar oportunidades para que o homem te parta o coração, não deve ser tarefa difícil, especialmente para uma pirata da tua condição.
    vê lá isso, a ver se voltas a sofrer, que a gente, nisto das internets, quer é banhar-se em mágoas alheias.

    ResponderEliminar
  7. Inventando dores de corno!

    Muitos músicos vivem disso há décadas! Mais recentemente a Adele tem feito um brilharete. E quando não as consegue arranjar, acaba com o respectivo da altura e já tem material para mais um álbum!

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma solução alternativa podia ser ouvir ad nauseum as músicas da Adele!

      Eliminar
    2. Sim, ficarias com disposíção para escrever sobre dor de corno, quer a tivesses ou não!
      É um método a considerar, se pensares bem...
      (sim, que tu, sendo do género feminino, pensas...
      ...já eu...)

      :)

      Eliminar
  8. Lembra-te da última vez que a sentiste e faz uma nova purga :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o que achas que ando a fazer nos últimos anos??
      :)

      Eliminar