sábado, 7 de maio de 2016

Desertos

Fomos atravessando o deserto. A lonjura, medimo-la pela nossa pele moribunda, de poros sufocados de areia.  Do cimo das dunas, cumprindo o ancestral saber dos magos, não olhámos nunca nem para trás nem para a frente. O passado foi já demasiado longe para que possamos regressar, o futuro  será ainda uma miragem a poente. Fixámos o olhar rente aos pés, num presente de cansaço, sede e dormência.
E esperamos. Esperamos, apenas, que o desenho dos nossos trilhos volte a cruzar-nos. Que então se abra no deserto um mar azul. 


2 comentários:

  1. já fui pra lá de tanto feliz em dunas... que aborrecimento o vento!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas o vento faz as dunas. Devemos perdoar-lhe!

      Eliminar