quinta-feira, 26 de maio de 2016

Passaporte para o exílio

Uma vez por ano, invariavelmente no último dia de maio, escolho renovar o passaporte para o exílio. Perguntaram-me, numa tarde de outro maio, do que é que fujo. 
Uma vez por ano ocorre-me que, se algum dia soube a resposta certa a essa pergunta, já a esqueci. 

3 comentários:

  1. o sabor do esquecimento é bastante requintado...

    ResponderEliminar
  2. O exílio, por outro lado, sempre tem o seu encanto... ;)

    ResponderEliminar