domingo, 21 de fevereiro de 2016

Ao domingo as pessoas são mais feias

Eu queria amar a humanidade e comover-me com olhares trocados entre casais em lugares públicos ou notar o gesto lento de uma mão que procura refúgio noutra ou surpreender-me com a expressão da pureza na distração que vai da chávena à boca. 
Mas ao domingo as pessoas são mais feias. 
As luzes dos candeeiros por cima das cabeças iluminam cabelos desconcertados por almofadas mudas a conselhos e restos de maquilhagem em cima de olhos amorfos que não leram antes de adormecer. 
Vieram nos seus fatos de treino que espalharam pelo corpo ainda quente dos cobertores e hoje, é evidente, não tomaram banho. 
E então olhá-los torna-se-me insuportável e desloco a atenção da mesa da frente, disperso-a por todo o restaurante e percebo que nenhum deles se lavou esta manhã. 
Sinto a nostalgia dessas terras onde as pessoas acordam para ir à missa de domingo; os cabelos penteados e presos com ganchos; uma gola bordada em redor do pescoço ensaboado; eles de camisa engomada debaixo do casaco dos casamentos. 
E finda a missa, podem até temperar a costoleta de novilho com o silêncio leve da culpa absolvida, em cantinas comuns. Mas, pelo menos, tomaram banho.
Eu queria amar a humanidade mas ao domingo as pessoas são mais feias.


7 comentários:

  1. Respostas
    1. amo gastrópodes, bivalves, cefalópodes e cerveja, pouco mais...

      Eliminar
  2. Eu tomo banho ao Domingo e saio de casa sempre cedo.
    Há Domingos em que levo ganchos, outros, vai solto, e mesmo que não haja golas de renda, é certo que uso a minha melhor carteira e calço os sapatos mais altos.

    Depois do almoço, logo se vê.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não queres publicar um manual de boas práticas? :))

      Eliminar