quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

O mistério da felicidade

Não gosto da miséria servida ao jantar. É por isso que me recuso a assistir aos serviços noticiários na televisão.
Ontem estava distraída e entrou-me uma búlgara pela sala. O pretexto foi uma reportagem sobre imigrantes ilegais. A búlgara vive numa tenda montada nos escombros de uma fábrica abandonada. Era um cenário daqueles que, enquanto nos cobrem de vergonha pelo ar condicionado, vão roubando o sal aos bifes.
Primeiro, a búlgara mostrou às câmaras os víveres que tinha comprado com os cinco euros que disse terem sido o resultado da pedincha daquele dia.
Depois, arrastando atrás de si um colchão, a búlgara exibiu a sua tenda andrajosa.
Em contínuo, exibiu ainda uma outra coisa, que foi o que mais me fez sentir envergonhada:
Um misterioso sorriso que, ou eu muito me engano, ou era felicidade genuína.

6 comentários:

  1. a felicidade está sempre em ti próprio e não nos outros. Não precisas de ninguém para ser feliz.

    ResponderEliminar
  2. tens outras coisas. porque eu já te vi sorrir de felicidade genuína.
    se o sorriso dela é tradução de um barraco, enfim, cada um ri-se do que pode.

    repara em mim, sempre a rir-me... e de quê, podes explicar-me?

    ResponderEliminar
  3. Medusa: a rir, sim. Mas não a sorrir daquela forma.

    ResponderEliminar
  4. S.A.: O que eu queria dizer é que estas histórias demonstram que a propensão para a felicidade depende muito mais das características inatas das pessoas do que das circunstâncias externas.
    Ainda assim, discordo do teu comentário porque, para ser feliz, eu preciso de dezenas de pessoas.

    ResponderEliminar
  5. Mera hipótese: não poderia ser um sorriso tipo queca-dada-mesmo-antes-de-chegarem-os-senhores-da-televisão? Daqueles que transbordam viço?

    É que essa malta é muito dada ao refustedo.

    ResponderEliminar
  6. Hum...agora que fala nisso...podia, sim!

    ResponderEliminar