quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Dylan - obra quase completa

http://www.azlyrics.com/d/dylan.html

É manter a esperança. Por este andar, para o ano entregam o Nobel a um blogger.



35 comentários:

  1. Acho que ainda não percebi muito bem a polémica. Estão chocados com "o conceito" ou com o talento do autor premiado? é que, sinceramente, não me choca nada esta atribuição em si- considerando que um nobel visa distinguir alguém cuja obra se reconhece contributo bastante para a humanidade, e o conceito (talvez mais vasto do que "aqueles livros de que ouvi falar daqueles escritores de quem me falaram"), não vejo onde está o problema. Se é para discutir o valor da obra do senhor e a efectiva influência a nível mundial, pois por aí já me meto.

    (e esse argumento do "tamanho", hein?
    sobre a extensão da obra, ainda há pouco tempo uma menina pequenina ganhou um nobel "só" porque queria ir para a escola...)

    ResponderEliminar
  2. Não sei o que choca os outros.
    Eu não sou fã das letras do Dylan.
    Da perspetiva literária da coisa não compreendo o prémio.
    (Parece-me que estou em minoria. Tenho visto comentários muito elogiosos)
    Prefiro que o prémio Nobel da literatura seja atribuído a escritores daqueles que, querendo, conseguem escrever um romance.
    E também não subscrevo a atribuição do Nobel ao Dylan como sendo um ato de coragem. Coragem seria entregá-lo ao Salman Rushdie, que é um escritor excecional e bem o merece.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso de escrever o romance, passo. O romance é apenas uma das formas literárias e talvez das mais datadas e perecíveis, francamente.

      Eliminar
    2. Não tem de escrever um romance. Mas convém que o consiga fazer

      Eliminar
    3. Eu teria sérias dúvidas sobre um prémio literário que, digamos, Shakespeare ou Borges nunca conseguissem ganhar (que não ganharam, é bem verdade -- mas que não conseguissem).

      Eliminar
    4. Porquê?
      Acha que Borges, querendo-o, não teria conseguido escrever um romance?
      :)

      Eliminar
    5. "Parece-me que nos romances costuma haver um excesso de população. Maria (Kodama) diz-me o mesmo: que ela se perde no romance. Claro! Tanta gente!"
      (Entrevista a Renato Modernell, 1984)

      Creio que não.

      Eliminar
    6. Discordo. Não há razoável contista que seja incapaz do romance. Há um consenso generalizado sobre a dificuldade acrescida do conto.
      Borges poderia ter escrito tudo o que quisesse.

      Eliminar
    7. Fica em aberto a questão: então porque nunca o fez?

      Eliminar
    8. Na literatura, é mais ou menos como na pintura abstrata. Não se é excelente numa coisa se não são se conseguir fazer a outra.

      Eliminar
    9. Falta de interesse? Falta de paciência e persistência? Ansiedade? Fez vários e não gostou de nenhum? Todas em simultâneo?
      :)
      Na verdade, não imagino e também não o lamento. Com o comentário referia-me à capacidade técnica para o efeito e não às qualidades humanas que imagino serem essenciais a determinadas formas de escrita.

      Eliminar
    10. Bem, Xilre, há pelo menos que admitir que, apesar de não gostar especialmente da poesia de Bob Dylan, já se viram coisas piores.

      Eliminar
    11. Rothko não seria Rothko se não fosse capaz de pintar, digamos, algo como "A morte de Sócrates" de Jacques-Louis David? Tolstoi teria que ser também um dramaturgo como Ibsen? Wallace Stevens teria que ter tido que escrever romances?

      Eliminar
    12. Constato apenas o facto de quem é excelente num estilo específico de escrita, conseguir, normalmente, ser pelo menos sofrível nos demais. Coisa que aliás se compreende bem.

      Eliminar
    13. E Borges escreveria um romance "sofrível"?

      Eliminar
    14. Não releva se o faz. Releva se o consegue fazer.
      Borges escreveu contos perfeitos. Não há nenhuma razão para supor que não conseguisse escrever um romance igualmente perfeito.
      Eu não estou a dizer que todos os escritores devam escrever romances, digo é que prefiro ver o Nobel entregue a pessoas que o consigam fazer.

      Eliminar
    15. Admite, portanto, que se deva segmentar o Nobel da Literatura em subcategorias: Nobel para os poetas que nunca escreveram um romance (Aleixandre, Transtromer, Neruda, Paz); Nobel para os contistas que nunca escreveram um romance (Munro); Nobel para os políticos que nunca escreveram um romance (Churchill); Nobel para os dramaturgos que nunca escreveram um romance (Fo, que morreu hoje)?

      Eliminar
    16. Admito tudo, incluindo a sua obstinação em não querer perceber o que já foi suficientemente explicado!!
      :)))
      Não há opiniões virgens. A minha traduz uma evidente preferência pelo romance como género literário e alguma preocupação com o seu anunciado fim. Insisto, prefiro ver o Nobel da literatura atribuído a autores que eu acredite serem capazes de escrever um romance.
      A ideia não comporta assim tantas extrapolações.

      Eliminar
  3. (Mas, claro, nestas coisas, gostos não se discutem)

    ResponderEliminar
  4. Lá está Cuca, a questão (que aqui coloquei) é mesmo esta: não discuto nem gostos nem talentos, não estou a dizer se o homem é bom ou não, se há melhores, nada disso, apenas afirmo que não me choca o facto de um POETA ter recebido o prémio nobel da Literatura, percebes? (eu não conheço Dylan, de facto, a música dele nunca me interessou, nunca prestei atenção às letras, mas não é disso que estou a falar. o que me está a causar um bocado de irritação é perceber nas pessoas muitos preconceitos, afinal, relativos à literatura, tratam-na lá como a vêem, de acordo com a subjectividade que lhes assiste, aquilo que gostam ou deixam de gostar, conhecem ou não e, mais constrangedor, têm critérios bastante rígidos sobre aquilo que "é" "um escritor", não sei se me faço entender)

    ResponderEliminar
  5. ah sim?
    pois aviso já que o atirarei ao lago, qual ronaldo & microfone :D

    ______
    p.s. - e o que eu gosto do meu ridículo? :)))

    ResponderEliminar
  6. Sobre aquilo que é um escritor nobelizável compreendo o preconceito (naquele sentido em que preconceito encerra a expetativa)

    ResponderEliminar
  7. Tenho esta atitude diante de tudo o que seja prémio, medalha, etc. Prefiro outras formas de enaltecer o trabalho (seja ele artístico, científico, desportivo, etc.), nomeadamente o colectivo (e são tantas as possibilidades).

    ResponderEliminar
  8. Ah, quanto a entregarem o Nobel a um blogger, o Saramago manteve durante algum tempo um excelente blog (conta?).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não conta.
      O Saramago era escritor.
      Um escritor com um blog.

      Eliminar
    2. O Saramago manteve um blogue, ou alguém por ele?

      Eliminar
    3. O Caderno (entretanto editado em livro):
      http://www.josesaramago.org/o-caderno-2009/

      Eliminar
    4. a edição não responde à minha pergunta

      Eliminar
    5. A resposta é sim: manteve. Os textos do blog estão reunidos n'O Caderno.

      Eliminar
  9. o blogue pertenceu (pertence? desconheço se ainda existe) à Fundação. A minha reserva vai para esse facto consumado, com ou sem edição, de autoria integral ou não.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "O caderno, reunião dos textos de Saramago postados quase diariamente em seu blog entre setembro de 2008 e março de 2009, é mais do que uma simples coletânea de crônicas jornalísticas. É um relato de vida, um diário intelectual e sentimental do único prêmio Nobel de literatura em língua portuguesa. Na “página branca da internet”, o autor conta o que o motiva, o que o indigna ou o que lhe apetece. Comenta o minuto, mas também recupera uma declaração de amor a Lisboa. Fala dos seus autores preferidos, com humor define as calças sempre impecavelmente vincadas de Carlos Fuentes, mas também o universo turbulento dos turcos de Jorge Amado descobrindo a América. Fala do papa, de Garzón, e de Pessoa; de Sigifredo López e Rosa Parks; e de tantos lutadores pacíficos que conseguiram mudar o mundo ou estão tentando. E emociona-se com gente, com amigos, com pormenores…"

      Eliminar
  10. o Dylan é músico.

    mas, justiça lhes seja feita: não é assim tão fácil cuspir, ao mesmo tempo, no Borges, no Roth, na Virgínia Wolf, no Joyce, no Nabokov, e por aí fora...

    em todo o caso - e já que assim é -, fico à espera da medalhita para o Craig Thompson ou para o Joe Sacco.

    ResponderEliminar