sábado, 7 de julho de 2018

Z, de Zarpar

Com o casco do navio finalmente remendado, sem fissuras nem brechas notórias, que quanto às outras já nada se pode fazer, esta intrépida tripulação Pirata e sua não humilde capitã, zarparam durante a madrugada, rumando aos mares das Caraíbas.
O meu gosto por chegadas e partidas cinematográficas ainda me tentou a espera pela lua cheia, para que o céu estivesse vestido de gala à saída da marina. Mas o mar chamou mais alto do que vaidade. Essa cãibra no músculo do coração que impele à viagem.
Como na canção, “parto rumo à maravilha, rumo à dor que houver para vir, se eu encontrar uma ilha paro para sentir e dar sentido à viagem”.

4 comentários:

  1. quero-te cá antes do final do mês! a Milu é tua em agosto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Voltarei para recuperar a minha aranha do coração. Deve vir cheia das manias burguesas que lhe incutes...

      Eliminar