sábado, 10 de fevereiro de 2018

Anymore

Tenho enterrado no fundo do mar, em lugar ignoto, um baú de chaves perdidas. Não fiz mapa do sítio nem guardei cópias das chaves. Nunca ninguém o encontrará, jamais o seu conteúdo verá a luz do dia. Segui esse critério ancestral que ordena que se enterre o que é indestrutível mas incómodo.
Na maioria das vezes o meu tesouro, que é também o meu crime, castigo e vergonha, é uma dor surda que o ruído dos dias disfarça. Uma manhã por outra, porém, liberta-se do baú o espírito do seu conteúdo e espera-me aos pés da cama, para me surpreender logo que abro os olhos, atacando-me, à traição, antes que tenha tempo de desviar o olhar. 

6 comentários:

  1. Se não tivermos a chave não podemos abrir aquilo que não temos com que abrir, então do que adiantaria encontrar aquilo que precisa se aberto, e que não temos, sem primeiro encontrar a chave que o abra?

    Capitão Jack Sparrow

    Beijos, Cuca :)

    ResponderEliminar
  2. Karen / Ana Teresa Pereira. Lisboa : Relógio d'Água, cop. 2016. ISBN 978-989-641-628-7.

    combina com isto tudo.

    ResponderEliminar
  3. já me aconteceu... sugiro que isoles os produtos da fissão de vida relativamente curta e que os deixes decair naturalmente, e bombardear os resíduos com vida mais longa com neutrões no interior da máquina de lavar, ou no reactor se tiver um... a absorção dos neutrões promove a transmutação e podes obter isótopos estáveis...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assaltaste o barril do rum, cigano. Está visto.

      Eliminar