sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Sumo de goiaba

— não se enlouquece tudo de uma vez. 
Disse eu ao coelho do relógio pendurado ao pescoço que caminhava para diante e para trás, nervosamente, enquanto proclamava que estávamos todos atrasados. A lagarta, sentada na estante dos livros de poesia, assentiu depois de uma baforada de fumo que inundou o convés e, assim incentivada, repeti como se tivesse acabado de descobrir o segredo da vida eterna: 
— não se enlouquece tudo de uma vez. 
O gato que ri materializou a ponta da cauda e os dentes e projetou uma gargalhada num estilo maléfico e totalmente descontextualizado. 
Olhei à volta para tentar perceber o efeito das minhas palavras na expressão do chapeleiro louco, mas em frente ao seu sumo de goiaba havia apenas uma cadeira vazia. Ouvi a minha voz, em eco, gritar "cortem-lhe a cabeça" e, então, disse-me a lagarta: — "não devias ter mandado cortar-lhe a cabeça". Pensei em iniciar um dissertação sobre Salomé, mas o coelho insistiu que estávamos todos atrasados. 
— para quê? 
Perguntei por perguntar enquanto inspecionava o verniz das unhas, optando por esconder as mãos nos bolsos do vestido.  
O coelho voltou a consultar o relógio e decretou que estávamos irremediavelmente atrasados para a vida. 
— não nos faz falta. 
Disse ao bigode esquerdo do gato que ri quando voltei a ouvir o eco da minha voz: "corteeeeem-lhe a cabeeeeça".

De madrugada acordei com uma insuportável dor na minha própria cabeça e, pela manhã, a primeira coisa que fiz foi proibir Adhrimhinnir de voltar a servir risoto de cogumelos selvagens. 
Mas estava escrito que o dia não terminaria sem receber um postal do capitão Sparrow. Continha um smiley a boiar no verso branco de uma fotografia do porto de Tortuga. 
Foi assim que soube que me esqueceu.

3 comentários:

  1. Cuca, sabes do que me lembrei ao ler-te, agorinha? que havias de fazer um blogue de histórias para crianças e punhas lá esta (mas sem o Sparrow que esse é para gente grande, claro).
    Todos os dias uma história para as mães e os pais lerem antes de eles irem dormir.
    Eu encarrego-me de divulgar na minha vasta família.
    (que no livro não volto, para já, a insistir, pronto)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é garantido que não assustasse as criancinhas...
      :))

      Eliminar
  2. acho que a Susana acabou de dar uma grande ideia :)

    ResponderEliminar