sábado, 6 de novembro de 2010

tábuas corridas enceradas. sem brilho.

3 comentários:

  1. Entram as mulheres. Robustas, simples, asseadas. De mãos e dedos rijos como pedra. São duas.

    Numa manhã, o chão baço ganha vida em tons de amarelo-novembro. Retira-se a filha, fica a mãe. Que é constante. Maria de servir, de confiar.

    Um carrego de bravo-de-esmolfe pousa no mármore da cozinha. E o cheiro da fruta depressa se confunde com o lustro. Vem da cozinha, das que se comem; e das arcas, das que lá se esconderam com função de perfumar linhos.

    Na cama, dois dão cheiro ao quarto. Um mijo feliz de carne mistura-se com todos os outros. E combina.

    ResponderEliminar
  2. Noodles, este bloguezinho não o merece.

    ResponderEliminar