domingo, 8 de setembro de 2013

que lutem até ao último fôlego e o resultado seja um empate


e um dia os corações criaram imunidade às palavras e, com isso, as palavras tornaram-se inúteis, primeiro, e odiosas, depois, e então passaram a agredir-se por fotografia.
uma constelação tatuada num pulso contra a reprodução do original no céu. uma jóia que brilha no dedo contra o nácar de uma concha perfeita. uma onda que desmaia na praia vazia de história contra uma baía que renasce nas rochas da memória...

o desenho de um coração doente na esperança de uma resposta feita da imagem do original, sacada de um peito aberto a bisturi.

lâmina n.º 10, se fazes favor.


4 comentários: