segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

2013

As revisões anuais são um exercício de frustração ao alcance exclusivo daqueles que devem pouco a si próprios. Nessa matéria, sou uma caloteira prestes a apresentar-se à insolvência. 
Não terminei a Ilíada. Saí do Inferno de Dante mas vagueio algures pelo purgatório. Não subi ao Empire State Building e nem sequer vou ver o ano morrer do cimo da Torre Eiffel. Não escrevi nenhuma boa história. Não comprei uns louboutin. Não visitei amigos distantes. Não aprendi a fazer bolos. Não deixei uma papoila no jazigo onde guardaram o que restou do meu poeta. Não reencontrei o nascer do sol da minha Ilha. Não fui Alice em nenhum momento. Não captei na objetiva uma imagem que me satisfaça o esforço. Não comi castanhas assadas. Não mudei a vida de ninguém com quem me importe. Não escrevi nenhuma canção. Não dancei sob as luzes de um baile de agosto. 
Mas fiz-me Pirata. E tudo o que não fiz é espólio e promessa de um outro ano.


4 comentários:

  1. Há sempre o que cabe na outra metade do copo: as palavras que adquirem novos sentidos, alguns sorrisos inesperados, uma ou duas cenas de filmes que recordaremos, determinados parágrafos que permanecem -- o que se consolida, interminavelmente consolida, naquilo a que eufemisticamente chamamos memória.

    Bom ano, Cuca.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa memória que afinal é a vida toda :)
      Bom ano, Xilre

      Eliminar
  2. A idealidade do que não fez intensifica o que realmente viveu e sentiu e o peso da recordação.

    Beijinho da D.

    ResponderEliminar